R

Recurso

Veículo ou apoio aduzido a uma atividade ou procedimento metodológico que melhora as condições de ensino e potencializa as chances de aquisição de uma (nova) língua. Os recursos estão localizados no extremo de baixo da célebre hierarquia abordagem-método-técnica. São exemplos de recursos a fala da professora, o giz, uma gravação em áudio de um diálogo a ser apresentado, uma figura ilustrativa de um uso específico da língua-alvo e a internet.

V. tb.: Abordagem, Metodologia, Método.

Recursos para Observação

Além de lápis e papel, computadores, programas específicos para registrar marcas nas gravações, gravadores áudio, câmaras vídeo-gravadoras, laboratórios de pesquisa aplicada entre outros.

V. tb.: Observação, Registros de Observação, Procedimentos de Registro de Observação.

Reflexão

O pensar sistemático e criterioso dos professores e aprendizes realizado com o intuito de promover a formação desses agentes para a melhor construção do processo de ensinar e de aprender línguas. A reflexão é o procedimento básico para o desenvolvimento da competência profissional dos professores e acadêmica dos aprendizes.

V. tb.: Competência Profissional, Competência Acadêmica do Aprendiz.

Reflexão Colaborativa

Análise da prática docente produzida sistematicamente com critérios entre professores ou entre professor e supervisor com base em princípios pedagógicos. Reflexão na qual os agentes envolvidos constroem a consciência sobre o ensinar e o aprender dos participantes pactuados para cooperar na formação de um deles ou de ambos, participam no debate, na expressão das concepções e tomam decisões sobre a prática em questão.

V. tb.: Reflexividade, Reflexão Crítica, Abordagem Reflexiva, Método Reflexivo.

Reflexão Crítica

Modo enfático de se referir a um exame ou análise da prática docente com apreciação minuciosa dos vários aspectos do ensino da língua-alvo, incluindo os ideológicos: sua filosofia, contexto de situação, desempenho dos agentes no uso da língua que se ensina, enfim das razões e implicações do porquê ensinar como se ensina.

V. tb.: Reflexão, Reflexividade, Abordagem, Método, Metodologia.

Reflexividade

Capacidade geral de pensar crítica e sistematicamente sobre aspectos dos processos de aprender e/ou ensinar línguas que permite a professores, aprendizes e terceiros agentes, operando individual ou coletivamente, a partir de observação e vivência do processo, descrevendo, compreendendo, analisando, tomando decisões e agindo de forma a evoluir na intenção de mudar. Capacidade de pensar sistematicamente sobre a prática de aprendizagem e ensino de línguas e, eventualmente, transformá-la.

V. tb.: Reflexão, Competência Profissional, Competência Acadêmica do Aprendiz, Competência de Terceiros, Aluno Des-Envolvido, Professor Des-Envolvido.

Registro cognitivo (noticing)

Foco na apreensão consciente de aspectos linguajeiros para se chegar à aquisição. Esse registro permite a compreensão do insumo num nível de consciência anterior ao metalinguístico. A atenção controla o acesso à consciência e é responsável pelo registro (noticing). Na perspectiva krasheniana, o registro cognitivo é um termo que pode ser comparado à aquisição, visto que, a consciência nesse caso é anterior à consciência metalinguística (aquela marcada pela reestruturação e a aprendizagem de itens do sistema com verbalização da regra). A consciência do adquirente ao nível do registro feito permite a comunicação ou o uso da L-alvo, mas não, necessariamente, a explicação formal sobre o quesito, ou sobre o porque ou como se comunica da forma como se comunica.

V. tb: Metalinguagem, Língua-Alvo, Cognitivismo, Consciência, Aquisição de Língua, Aprendizagem de Língua.

Registros de Observação

Anotações mentais e escritas, gravações, fotografias, transcrições coletadas e produzidas a partir de observações com a finalidade de apoiar interpretações, de prover evidências para o esforço analítico posto em marcha.

V. tb.: Observação, Procedimentos de Observação, Recursos para Observação.

Relevância

Percepção de valor de acréscimo à formação ou desenvolvimento pessoal de um aprendiz ou professor(a) de línguas acerca das inúmeras situações de receptação ou produção de insumo numa nova língua. Reconhecimento da validade de se viver alguma experiência, consciente ou tacitamente, pelos aprendizes em relação ao desenvolvimento de sua competência comunicativa na língua-alvo.

V. tb.: Insumo, Competência Comunicativa.

Rendimento

Resultado de natureza qualitativa e/ou quantitativa, geralmente expresso na forma de menção, relativo às produções do aprendiz, medido através de avaliação de seu processo de aprendizagem de uma (nova) língua quanto aos conteúdos de uma parte ou de todo um planejamento já implementado num curso de língua.

V. tb.: Avaliação, Avaliação de Rendimento.

Retorno

Sinal avaliativo de registro da produção pontual de interlíngua por parte do professor ou par mais competente na interação que vai do reforço positivo ou negativo explícito verbalizado, passando por refraseamentos com propósito explícito ou implícito até respostas que apenas computam os enunciados percebidos.

V. tb.: Par mais proficiente, Falante nativo, Aprendizagem instruída.

Rotinização

Qualidade de atividades voltadas à fixação memorista, repetitiva, imitativa ou mecanizadora de itens ou porções de texto na aprendizagem de uma língua.

V. tb.: Aprendizagem Memorista, Aprendizagem por Repetição, Comunicação, Explicação.