Para ler ouvindo:

Interrompemos a nossa programação para entender um pouco mais sobre os protestos que estão acontecendo aqui em Hong Kong. Muitos no Brasil me perguntam assustados e surpresos sobre o que está acontecendo aqui. Bem, as manifestações são uma coisa bastante atípica para o povo de Hong Kong. A sede dos hongkongers por democracia parece ter chegado no limite.

Basicamente, os protestos são pró-democracia e liderados pelo movimento estudantil. A principal reivindicação é por eleições abertas em 2017.

Só um parênteses: até 1999, Hong Kong era colônia britânica. Depois de 150 anos de domínio britânico, passou a ser uma das duas Regiões Administrativas da China (juntamente com Macau). Assim, Hong Kong possui uma certa autonomia, mas tem seu chefe executivo eleito não pela população, mas por membros de um comitê.

Quando cheguei aqui (no meio do mês de Setembro), ouvi burburinhos de que os estudantes estavam de greve, mas o movimento ainda estava tímido... A universidade ainda estava cheia e as ruas não ocupadas...


Foi somente quando o movimento #OccupyCentral engrossou que o bicho começou a pegar! Um vídeo em específico, de uma estudante universitária daqui, foi super importante para chamar a atenção das pessoas e também para levá-las pra rua. O vídeo já teve mais de 1 milhão de visualizações.

Quanto mais pessoas iam pra rua, mas confusão acontecia, já que a estratégia da polícia para "controlar" a situação era a opção pela truculência.

Bombas de gás lacrimogênio, sprays de pimenta, repressão violenta da polícia... (já vimos esse filme, né?). Vejam o vídeo de um brasileiro que estava em um dos protestos.

E assim surgiu um dos símbolos desse movimento: a sombrinha, o guarda-chuva. Aqui em Hong Kong é muito comum vermos pessoas usando sombrinhas durante o dia para se protegerem do forte sol. Durante as manifestações, as sobrinhas tornaram-se aliadas da população, que forma enormes escudos coloridos para se proteger. Vejam algumas fotos da #UmbrellaRevolution no Twitter:

A universidade ficou vazia por um tempo, mas cheia de mensagens de apoio àqueles que estavam nas ruas.

O movimento por aqui é bastante organizado. Voluntários distribuem água e comida, recolhem o lixo... Todos usam fitas amarelas como um símbolo de luta pela democracia! Sem black blocs, sem quebra-quebra e com muita luta. Inspirador. Impagável presenciar esse momento histórico para o povo de Hong Kong.

Pra fechar, esta é a música que o povo adotou para simbolizar o movimento. Gravada por um grupo de Hong Kong nos anos 80, a música é cantada em cantonês e o refrão diz (mais ou menos) o seguinte:


Perdoe-me por amar a liberdade por toda a minha vida,
Embora eu tenha medo de cair algum dia,
Qualquer um pode desistir de seus ideais,
Mas eu não temerei, mesmo que haja somente você e eu.

Até o próximo pedaço do nosso Sanduíche Chinês.

 

Ronaldo Gomes
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Doutorando em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor de Língua Inglesa do Instituto Federal de Minas Gerais (Campus Ouro Preto) por convicção, missão e diversão. Viciado em internet, séries e tecnologias em geral. Gosta de convites pra bate-papos com bons amigos, bons vinhos e boas cervejas!

 

Comentários  

# Pedro Pimentel 19-11-2014 08:51
agora que fui ver que postastes o video que eu gravei com o tear gas :D
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

#7 - O último pedaço!

#7 -  O último pedaço!

#6 - O estrangeiro brazuca e a(s) língua…

#6 - O estrangeiro brazuca e a(s) língua(s)

#5 - Saboreando a confusão de línguas de…

#5 - Saboreando a confusão de línguas de Hong Kong

#4 - PLANTÃO #UmbrellaRevolution

#4 - PLANTÃO #UmbrellaRevolution

#3 - Descobrindo os ingredientes brasile…

#3 - Descobrindo os ingredientes brasileiros tipo-exportação

#2 - Revendo a lista de ingredientes

#2 - Revendo a lista de ingredientes

#1 - Desembalando o sanduíche

#1 - Desembalando o sanduíche