Sonia Nieto (NIETO, 2002) observou que, nos Estados Unidos, os estudantes bilíngues oriundos de minorias geralmente vivem um conflito ideológico, pois há uma mentalidade predominante de exclusão na construção de identidades.

Essas crianças e jovens são implicitamente impelidos a escolher pertencer a uma minoria, ou ser americano: “ou um ou outro”. A ideologia dessa mentalidade é a assimilação, pois para pertencer à identidade americana, as crianças e jovens abandonam a cultura, a identidade e a língua de suas famílias. Muitas vezes, esse processo é gradativo e se inicia com a entrada da criança na escola.

Por que crianças e jovens bilíngues oriundos de minorias não podem pertencer a múltiplas culturas? Por que eles não podem assumir uma identidade híbrida? Essas questões são levantadas por professores e estudiosos que entendem identidade e cultura como pertencimentos múltiplos e mutáveis. É fundamental que professores, coordenadores, comunidade e sociedade compreendam que as crianças e os jovens de famílias minoritárias participam simultaneamente de duas ou mais culturas.

De forma a combater a ideologia de assimilação, Nieto defende que uma educação multicultural seja um princípio curricular para todos os estudantes e não apenas para aqueles oriundos de minorias. Esse princípio rejeita todas as formas de discriminação nas escolas e na sociedade e está baseado na afirmação da pluralidade pelos professores, pelos estudantes, pelas comunidades e pela sociedade. Para representar uma sociedade diversa, o conceito de multiculturalismo deve permear a elaboração do currículo em todas as duas fases, desde o estabelecimento de princípios norteadores até a seleção de conteúdos e métodos.

As escolas comunitárias e os professores de língua de herança também devem sustentar seus currículos em uma educação multicultural. Consequentemente, é preciso que o professor, o coordenador e o administrador combatam o discurso da assimilação e não imponham os limites de suas próprias identidades, mas afirmem um pertencimento plural.

Referência:

NIETO, S. Language, culture, and teaching: critical perspectives for a new century. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Association, 2002.

Ivian Destro Boruchowski
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Cursou Letras e Pedagogia na Universidade de São Paulo, trabalhou como professora de Literatura, autora de materiais didáticos e coordenadora pedagógica em São Paulo. Morando nos Estados Unidos, foi secretária da American Organization of Teachers of Portuguese (AOTP), para quem efetuou trabalho voluntário e dirigiu uma coluna quinzenal sobre a Língua Portuguesa (coluna Nosso Idioma, no jornal Gazeta Brazilian News). Atualmente, é mestranda em Curriculum and Instruction na Florida International University (FIU), cujo objeto de pesquisa é o currículo de línguas de herança.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Vamos contar e deixar que contem...

Vamos contar e deixar que contem...

Alfabetização e letramento no contexto d…

Alfabetização e letramento no contexto das línguas de herança

Conceitos refletem-se nas práticas II

Conceitos refletem-se nas práticas II

Conceitos refletem-se nas práticas

Conceitos refletem-se nas práticas

Falante de herança vai falar português c…

Falante de herança vai falar português com sotaque?

O mosaico de uma língua-cultura de heran…

O mosaico de uma língua-cultura de herança

As várias línguas portuguesas

As várias línguas portuguesas