A premiação do Oscar é a festa de maior ostentação que existe do cinema. Por natureza, é uma cerimônia de gala, com direito a vestidos e fraques caríssimos e, claro, tapete vermelho.

O Oscar de 2014 não fugiu a regra, teve tudo isso, mas desta vez foi diferente. Desta vez, a festa tinha um "quê" de contemporaneidade, de conectividade, de interação e de querer mostrar menos o lado "estrelas de Hollywood" e mais o lado humano e transformador da 7ª arte.

A apresentadora Ellen DeGeneres foi a anfitriã da noite e, claro, deu um show de simpatia, espontaneidade e diversão. Mas junto com esse show saíram 3 lições que a escola pode aprender com o Oscar 2014.

1. O Twitter é rede social de interação mais phoda ever

Durante a cerimônia, a apresentadora Ellen DeGeneres tirou uma foto no estilo "selfie" com vários atores (isso inclui o gatíssimo Bradley Cooper e a simpatissíssima Jennifer Lawrence, entre outros) e fez um desafio para todos que estavam acompanhando o Oscar: ser a foto mais retuitada da história. Pronto. Era só o que todos nós, pobres mortais que estávamos acompanhando a festa do "lado de fora", precisávamos para nos sentir parte desta, para interagir com quem estava lá, de entrar lá como se estivesse vestindo um Dior e pisando naquele tapete vermelho, mesmo que a realidade fosse estar vestido em um pijama enquanto assistia tudo em cima da cama.

O Oscar 2014 poderia ter escolhido QUALQUER rede social, mas escolheu o Twitter porque é o canal de comunicação que mais conecta as pessoas do mundo inteiro de maneira simples e rápida. Em menos de 1 minuto que a foto tinha sido postada no Twitter da Ellen DeGeneres, eu já tinha mais de 5 retuítes dessa foto no meu feed de notícias. E logo começou a surgir a pressão se conseguiriam bater o recorde da foto mais retuitada na história, que é a do abraço emblemático de Barack e Michelle Obama após a 2ª vitória do presidente dos EUA. Tal foto teve, desde 2012, mais de 778 mil retuítes. A foto selfie de Ellen DeGeneres em menos de 30 minutos já tinha batido esse marca e, até o presente momento desse texto, já estava com mais de 2.8 milhões de RTs.

E o que isso significa para a Educação?

Que não podemos mais ignorar o poder de conectividade e interação que a internet tem e que podemos aprender a lidar com as redes sociais para nos favorecer em sala de aula. Temos que aprender a levar a internet viva, interativa, criativa e protagonista para dentro da sala de aula E NÃO a sala de aula chata, cheia de punições e passividade para dentro da internet. #pensenisso

2. Quando a gente ri e se diverte tudo fica mais interessante

Como disse anteriormente, o Oscar é uma festa super formal e cheio de protocolos. Geralmente as pessoas ficam bem mecânicas para não dar nenhuma gafe.

Mas não com a Ellen DeGeneres. A apresentadora, que também é comediante, sabe que ao gargalhar com outras pessoas você cria laços afetivos por meio de situações inesquecíveis, as quais sempre nos fazem rir novamente ao lembrarmos de tais situações. E foi exatamente isso que a anfitriã fez para marcar o Oscar que mais quebrou protocolos na história.

Ellen DeGeneres perguntou para a platéia de famosos quem tava com fome e se estavam a fim de pedir uma pizza. Todos riram e logo levantaram os braços. Ela cumpriu o acordo. Pediu a pizza, chamou o entregador para dentro do auditório, pegou pratinhos plásticos descartáveis e saiu distribuindo pra galera, que não só comeu como também ajudou na distribuição em meio a gargalhadas.

Gosto de lembrar que eu vivi para ver o Brad Pitt servindo pizza em um pratinho descartável à Meryl Streep.

Essa quebra de protocolo fez com que as pessoas se conectassem mais as outras e também saíssem daquela "coisa" do formal, das regras, que não te deixam ser quem você é. Isso gerou tanta identidade nas pessoas "do lado de fora" da festa, que surgriu a hashtag #Oscardeverdade, exaltando essas quebras de protocolos que deixavam a festa muito mais real e próxima ao público.

O que isso significa para a Educação?

Que precisamos rir mais em sala, precisamos compreender que a diversão, humor e alegria podem (e devem!) ser combinados com a escola, com a Educação. Não sei quem foi que disse que a aula tem que ser chata, que não podemos nos divertir para nos conectar com o outro. Que não podemos ser "amigos" dos estudantes e nem muito menos "descer ao nível do aluno". Se começarmos a compreender a sala de aula composta por pessoas e não apenas alunos, talvez consigamos ser mais felizes em nossas profissões e ainda ensinar e aprender com uma super qualidade, pois a risada conecta pessoas e isso gera boas lembranças, que, por consequência, nos faz sempre revisitar esses momentos na memória.

3. Cinema, cultura popular e Educação andam juntos

O ganhador do melhor filme da noite foi 12 Anos de Escravidão. Poderia ser só mais um filme que conta a história do racismo e escravidão do passado, com um excelente roteiro e ótima fotografia. Mas esse filme não foi só isso.

Esse merecido Oscar foi também por resgatar o valor social que a arte cinematógrafica tem, por mostrar que a arte não se finaliza pela arte, mas pelo seu valor transformador. E foi isso que o diretor, Steve McQueen, fez juntamente com toda a produção e elenco.

Além de ganhar o Oscar de 2014 como melhor filme e deixar sua marcar por ser o primeiro diretor negro a ganhar o prêmio máximo da indústria do cinema, a trama também vai ganhar as escolas públicas dos Estados Unidos. Em formato de livro pela editora Penguin Book, o material será distribuído nas escolas para que os temas escravidão, negros e racismo não sejam apenas uma matéria escolar, mas sim um momento de reflexão do que foi feito no passado e o reconhecimento do papel que cada um tem em perpetuar ou desfazer esse grave erro histórico.

O que isso tem a ver com educação?

Que não devemos ignorar o poder das artes, da música, do teatro, do cinema, da cultura popular como potencializadores da educação. Tudo pode ser levado pra sala de aula desde da 7ª arte ao funk. Tudo depende de como lançamos nosso olhar educativo, como fazemos o link que queremos para levar nossos alunos à ação de transformação que desejamos e queremos ver/ser no mundo.

O Oscar 2014 pode ter parecido apenas uma festa de glamour, ostentação que se passa na televisão, mas por trás de tudo isso podemos aprender grandes lições, especialmente a que vem do marketing que envolve esse indústria, a qual vem perdendo espaço para a internet e a pirataria, que, na minha opinião, a melhor lição é: não ignore ou odeie a web por isso, junte-se a ela.

Leila Ribeiro
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Acordo usando o Twitter, passo o dia aprendendo com a internet, apaixonada por relações das pessoas na web e da apropriação do conhecimento dos professores na era digital. Ah! Sou também doutoranda em Ciência da Informação, mestre em Linguística Aplicada, educadora da vida, jornalista e publicitária leiga por pura paixão.

 

Comentários  

# Anna Claudia 13-03-2014 13:14
Muuuuuiiiittttooooooooo ultraaaa maaaais que legal seu site.
Parabéns. Você é demaaais!!!!!!!
Bjinhos.
Anna - Turma S3 - Fajesu
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cultura do ódio, Humaniza Redes e Educaç…

Cultura do ódio, Humaniza Redes e Educação

O sujeito digital

O sujeito digital

Cecília Meireles e Valesca Popozuda sabe…

Cecília Meireles e Valesca Popozuda sabem de tudo, inocente!

Calça curta não se remenda

Calça curta não se remenda

3 coisas que a escola pode aprender com …

3 coisas que a escola pode aprender com o Oscar 2014

A escola que precisa estudar

A escola que precisa estudar

Geração Conectada

Geração Conectada